Pessoa colecionável #14 Léo Fabri

 

 

 

 

 

 

leo7

Conheci o Léo sendo atendido por ele na Livraria Cultura. Chamava-me atenção o seu figurino divertido, sua camisa com mangas estampadas com bicicletinhas e as suas incríveis referências na hora de indicar livros. Para a minha tristeza quando disse que queria uma camisa igual à dele, ele me contou que quem as fazia era sua mãe Rute, e apenas para ele e mais ninguém. Sua mãe, além de ser sua estilista pessoal é também sua companheira para assistir novelas mexicanas. Eles adoram tweetar em modo presencial, tecendo comentários humorados e debochando do cafonismo machista de cada cena.

Conto que a minha livraria predileta é a do Conjunto Nacional por causa das pessoas interessantes e daquele esqueleto de dinossauro. Ele faz uma importante revelação: “aquilo é um dragão e não um dinossauro e o nome dele é “Dragoberto””. Léo também diz que é bastante querido pelos clientes da livraria, principalmente pelas velhinhas que querem apertar sua bochecha. Desconfia que isso aconteça porque ele serve como um sinônimo da meritocracia para a classe média. É como se ele comprovasse a tese dos leitores da Veja & afins, como sendo o “negro vencedor”. Mas há também gentileza genuína. Uma cliente certa vez procurava por um Moleskine temático do Pequeno Príncipe, mas estava perdido na loja. Léo pegou o telefone da cliente para se acaso achasse. Achou não apenas um, mas dois, e reservou ambos. Quando a cliente voltou para buscar a encomenda, deu o segundo caderninho para Léo de presente. “Não foi um presente de agradecimento, foi uma pessoa agradecendo pelo carinho da outra.”

leo6

Léo me parece metódico, possui gestos caricatos e simétricos, é quase um personagem de Wes Anderson. Por falar em cinema, ele sente saudade da revista SET, já mentiu que viu Amelie e não gosta do Nemo. Até hoje tem ressentimentos de um ex-namorado que terminou tudo por SMS. Peço uma frase sem ser da Clarice e ele cita uma do livro de Shaun Tan,“A árvore vermelha”, um dos seus prediletos: “o mundo é uma máquina surda, sem razão e sem sentido”. O grande preconceito de Léo é com quem usa Crocks. Ele se congratula Crokcofóbico assumido. Conta inclusive que uma vez deu cabo do par de crocks do irmão enquanto eles passeavam em uma praia. O irmão nunca soube como aqueles crocks sumiram, mas saberá agora na entrevista. Mas e papete? “Papete só se for do Seninha”.

leo5

Léo não se considera um militante, gosta de olhar pros fatos e narrar a sua percepção. Ele também foi simpático à Maju, mas sabe que nem todos são Maju, muito menos do que todos os #somostodos. Muitos são #somostodosrede globo e o que mais for legal quando o Jornal Nacional disser. A construção do imaginário sempre se baseia na hegemonia padrão. Somos todos seres tentando não parecer preconceituosos, mas tentar não parecer não é não ser. Conta um episodio de uma conhecida que tinha uma filha de cinco anos que xingou a empregada de “macaca”. A mãe ao contar o episodio, disse que deu uma grande bronca na filha para que ela nunca mais fosse racista, mas em nenhum momento mencionou sua preocupação com a empregada. A partir desse pequeno recorte Léo afirma que existe um grande problema no combate ao racismo. Muitas pessoas não são sensíveis de verdade à dor de um negro, elas estão apenas preocupadas em não parecerem preconceituosas socialmente. Essa construção não é nossa, é coletiva, e a gente, sem perceber, se apropria dela.

“A construção do imaginário pode ser compreendida de maneira simples. Vá ao Google Images e jogue palavras como “bandido”, “gay”, “lésbica”, “pobre”, “rico” e você vai achar um padrão que aponta para imagens estereotipadas”. É bom lembrar que essa coletânea de imagens não foi construída por uma só pessoa. Desse conjunto de noções forma-se uma ideia generalizada, que distorce e elege figuras representativas. No ciclo de seminários “Cidades Rebeldes” que aconteceu no Sesc em São Paulo a estudiosa Maria Rita Kehl falou sobre isso e eu pesco um trecho aleatório achado na internet em que ela fala sobre o registro imaginário expresso pelos reality shows:

“O que eu chamo de violência imaginária é aquela que é consequência das configurações subjetivas narcísicas da identificação na imagem, da paranoia que essa identificação na imagem pode trazer. Porque, se eu estou identificado na imagem, se eu existo na imagem, há uma concorrência permanente pela visibilidade, e o corpo se torna muito importante.

A violência do imaginário seria essa violência produzida por uma sociedade que é organizada prioritariamente pela imagem, como é, sem dúvida, a nossa. O que se percebe na ausência de polissemia da imagem, ao menos naquela usada publicitariamente: ela não tem nenhuma abertura de sentido, ela tem um sentido muito imperativo.”

leo8

Léo tem uma fome milenar por teatro infantil, um laço forte com literatura infantil e um pouco mais de um metro e oitenta. Peças trágicas para crianças, que tal? Seu primeiro xodó cardíaco foi “O gato malhado e andorinha sinhá” dirigida por Vladimir Capella, peça que encosta em tensões raciais em moldes alegóricos. “Outra bonita lembrança é da montagem de Branca de neve por Charles Moeller” , diz Léo enquanto vai buscar açúcar na saliva. Na literatura, sua grande perdição é a obra de J.K Rowling, autora de Harry Potter. Não só pela sua capacidade de criar todo um universo coerente em suas histórias, mas pela sua história de superação, já que passou 10 anos escrevendo. Os livros do bruxinho foram seus primeiros lidos em inglês

leo1

Não existem níveis de cultura, existem diferentes experiências culturais. “o conhecimento deve ser uma ponte que nos liga e não um abismo que nos separa”. Léo, por exemplo, já ensinou o diretor teatral Antunes Filho a jogar Nintendo Wii. Era uma exposição na Game Play no segundo andar do Itaú Cultural, no primeiro havia uma instalação de José Celso. Léo não só ensinou Antunes a brincar dentro do jogo “Fatal Frame” como o levou a gritar descontroladamente como se fosse uma criança empolgada de 10 anos.

leo4

Falamos de música e Léo me conta sobre um cantor gospel que é seu xará: Leonardo Gonçalves. Suas canções versam com blues, soul, bossa nova e o seu cd parece seguir uma narrativa teatral, ele praticamente narra uma história na sequencia das músicas. Sublime.

 

Conversamos sobre o tal “racismo por distração”, sobre as camadas por dentro dos equívocos cotidianos que costumamos reproduzir por palavras aparentemente inofensivas como “denegrir”. “O Brasil é racista, o mundo é racista e isso não é mais questão de preconceito, mas de conceito”. Atenta para as diversas políticas públicas regidas ao longo da nossa história em prol de imigrantes europeus em contraste com a cegueira contida na legislação de apoio aos escravos recém-libertos da África. “Fundo do poço é pouco, já chegamos ao pré-sal” diz Léo. Sobre o machismo, Léo acha que na nossa cultura as palavras de munição ofensiva possuem sempre uma relação com ao feminino e não ao caráter: “biba”, “mulherzinha”, “filho da p%$#”. Acha que “respeito é orgânico, é uma obrigação e não uma questão de adesão”.

Léo odeia Londres porque acha uma cidade muito parecida com São Paulo e ele não quer outra São Paulo, quer apenas São Paulo. Morou na cidade do Big Ben e trabalhou no consulado britânico e presenciou diversos episódios de preconceito linguístico, principalmente com quem vinha do Leste Europeu. Morava num bairro bem simples com uma coreana.

leo3

Entrevistar Léo foi mais uma oportunidade para iluminar tudo aquilo que não reconheço em minhas ignorâncias de mundo, e que presente quando ele me falou desse miniconto da “Pequena vendedora de fósforos”. É ele que encerra essa conversa que pra mim foi como desvendar cada detalhe cósmico de uma sala tão cheia de surpresas e acréscimos pra minha ignição humana e que quando terminou foi como se essa linda árvore citada abaixo desvanecesse.

 “Decidiu-se: pegou outro fósforo, esfregou-o na parede e logo ela se fez transparente como se fosse de vidro. Através dela, entreviu uma sala com uma mesa posta. Sobre a toalha imaculada, brilhavam as porcelanas e os cristais. E, no centro, um pato assado, recheado de ameixas e maçãs fumegava ainda, exalando delicioso perfume. Que alegria! De repente, o pato pulou da travessa e veio rolando até ela, com o garfo e a faca enfiados nas costas. Mas… o fósforo se apagou e a parede ficou sendo de novo uma parede fria e escura.

Acendeu um terceiro fósforo e ei-la sentada debaixo de uma árvore de Natal, a mais bela, a mais rica e resplandecente que jamais vira. Nos galhos verdes, as velinhas ardiam aos milhares; fios de ouro e prata entrelaçavam-se; bolas e estrelinhas, assim iluminadas, brilhavam intensamente. Ergueu as mãos, mas… consumido o fósforo, desvaneceu-se a árvore”.

Quando somos iguais perante a lua.

weare

Poucas coisas são tão subjetivas quanto o conceito de amizade. E hoje, no “dia do amigo”, fiquei pensando num papo de Whatsapp de dias atrás com uma amiga (?). Falei que gostava do fato de ter alguém de todos os tipos para conversar, de “colecionar pessoas” e panz. Ela retrucou que não entendia essa coisa minha de ter mil amigos, que isso parecia muito impessoal, que ela tinha tipo dois amigos.

Eu respondi: “eu num tenho mil amigos. E colecionar pessoas não é o mesmo que amigos. Amigo nem sempre tem o melhor conselho. Se abrir com quem você não conhece às vezes pode acarretar muito mais intimidade do que com um amigo que você conhece há anos. É diferente esbanjar queridismo de saber que o mundo é cheio de gente que pode te ajudar sem mal te conhecer. A conexão a meu ver num precisa de rótulos. Ter amigos é uma propriedade inventada acho eu, é um cercadinho em que você deposita expectativas e negociações de espaço. Enfim, a gente inventa os requisitos pra chamar alguém de amigo…”

Disse que meu ponto de vista era um pouco desprogramado do padrão e que eu também tinha uns cinco amigos e mais um tanto de pessoas que eu poderia contar em uma situação e não em outra. Quanta gente eu já chamei de amigo e hoje num sei nem se ta casada, solteira, doente, VIVA. Mas naquele momento era o que eu sentia, era a palavra que definia aquilo, talvez num seja mais, ou como diria uma antiga amiga “tudo o que era nunca foi”. Nós vivemos em uma esteira temporal: entra gente, sai gente. E o lance é que a coleira do tempo acaba atrapalhando essa definição, já que as mudanças de espaço acontecem e geralmente e elas definem afastamentos e aproximações. E não existe isso de recusar um novo amigo porque jurou fidelidade ao outro.

Voltando a teoria do cercadinho, eu cada vez mais tenho indícios de que a subjetividade é uma (des)garantia para que a gente “rotule” alguém como amigo ou não, já que no momento em que essa pessoa avançar e descumprir as regras do seu cercadinho de expectativas estabelecidas, ela pode botar o seu posto a perder.

Ultimamente um dos meus grandes critérios para chamar alguém de amigo é ter o beneficio do não. O beneficio de furar (avisando) num dia em que eu não estou legal.  De não poder ser padrinho de casamento porque já tinha uma viagem marcada que também é muito importante pra mim. O beneficio de não ir numa colação de grau por achar boring ver um monte de playmobil recebendo um tubo de papel durante horas, para finalmente ver o playmobil que me interessa subir uma escada e também pegar esse tal tubo – e tudo durar coisa de um minuto. Acho uma verdadeira prova de amizade quem comparece a esse tipo de cerimônia, mas não acho que não ir seja o avesso disso.

Ao mesmo tempo, acho que pessoas que sempre dizem ”não”,” não posso”, “não sei” também não estão lá muito interessadas na minha companhia – e tempo não é desculpa. E eu tento, uma, duas , três vezes e depois paro de insistir. Acontece também de você adorar alguém, e essa pessoa um dia, depois de muito tempo, simplesmente te virar a cara sem mais nem menos numa festa. Se eu tenho a certeza de que não fiz absolutamente nada pra pessoa (e olha que eu sou bem paranóico com suposições), o adeus infelizmente já está implícito nesse tipo de atitude, pelo menos da minha parte. Eu deixo ir, mesmo que isso pareça orgulho. Acho que o carinho tem uma fluidez, você não tem que insistir nem implorar, ele apenas existe.

 

Diante desse conceito de (des)propriedade, eu talvez não tenha amigos e sim esteja amigo. Essas 2187 pessoas que numeram o meu placar de amigos no Facebook são apenas uma tarja imaginária sem nenhum valor concreto. É apenas um disfarce pra mostrar que eu não sou tão sozinho assim. Eu devo conhecer umas 500 pessoas dessas, o “resto” são leitores ou pessoas que leio e adicionei para ter informações privilegiadas. Dessas 500 pessoas que eu conheço, 200 delas eu devo ter visto no máximo 3 vezes: na primeira eu conheci e nas outras duas eu mudei de rota na rua para que elas não me vissem. Das 300 que sobram, 200 são colegas de Workshop, ou épocas bem legais, gente que sentou por anos na carteira de trás e até já me passou cola nas provas bimestrais. Ver como elas estão diariamente é uma forma de saber que elas ainda existem e lembrar da minha história e sem elas não há história.

emma-watson-the-perks-of-being-a-wallflower1

Daí sobra uns 100 malucos. Entre colegas, pessoas queridas, gente que iria ao meu enterro, gente que já tomei porre e já chamei pra reunião da Monavie. 50 delas provavelmente são pessoas que topam fazer algo em cima da hora, que não ligam pro fato deu não tomar cerveja, que apesar de diferentes de mim, topam dividir calorias e conversas comigo e sabem muito sobre quem eu sou ou acho que sou. Elas provavelmente sabem dividir uma conversa sem roubar assunto, porque ao contrario eu já devo ter dito pra elas que não gosto de monólogo, gosto de dizer e de ouvir. Desses 50, uns 30 já devem ter vindo aqui em casa e conhecido o meu quarto de marciano, e sabem de cor o nome dos meus pais.

Desses 30 existe um bioma cheio de corações telúricos e abraços de diferentes temperaturas. Quando estamos juntos somos todos iguais perante a lua. Tem primas que foram além do sangue e amigas de prédio que eu não abro mão. Tem evangélicos ponderados e musas do poli dancing. Tem potentes atrizes e ativistas do projeto Tamar. Tem fotógrafos variados e cinéfilas de All Star. Tem pedagogas feministas e historiadoras luso-brasileiras. Tem médicos carismáticos e terapeutas mackenzistas . Tem cozinheiras de acampamento e defensoras de gatos. Tem futuras mamães e poderosas xamãs. Tem amantes de cherry coke e gente de Itanhaém e de São José dos Campos.Tem fadas madrinhas e viajantes que verei no futuro. Tem comunistas fanáticas e leitores da Veja. Tem designers ariscas e mestres anciões.  Tem pera, uva, tem novela e tem cinema. E que bom…  tem gente pra eu discordar, apesar…

E tem gente que eu ainda nem conheço. É que a estrada tem esse cheiro de novo e é cheia de oferendas imprevistas para cada doravante. E é por isso eu olho pra frente, e que bom que ao lado tem sempre gente.

Vantagens-650x200

 

Desculpe, mudei de ideia e esqueci de avisar

recicle-se

Em um dos meus últimos textos, escrevi sobre a volubilidade e a suposta conversão vupt de quem praticava homofobia há alguns anos e de repente estava de arcoíro pagando de legal no Facebook no assunto já “obsoleto” sobre a legalização do casamento gay nos EUA. Na caixa de comentários, uma amiga me alertou sobre algo que confesso não ter refletido sobre antes: “…tem mesmo coisas que pensamos e temos vergonha de admitir,mas avisar que mudamos de opinião também é difícil”. Fiquei com isso na cabeça, visto que as Redes sociais são apenas sínteses cotidianas e que ninguém é obrigado a mandar notificações vermelhinhas pra avisar que mudou de ideia.

Nossas certezas passam diariamente por uma esteira cotidiana que nos fuzila com todo tipo de informação. Mas, como sabemos, os algoritmos de Zuckenberg “facilitam” essas direções já que as pessoas as quais lemos com frequência, aparecem mais em nosso mural, sendo assim, somos estimulados a concordar mais com quem já concordamos.

Fiquei pensando em diversas situações em que eu mudei de ideia, situações em que fui preconceituoso e que alguém interveio e me apontou um novo remo com cuidado (ou não) e me fez cantar Luka: Aceitei os meus erros, me reinventei e virei à página”.  Situações em que eu tive o direito de mudar de opinião sem avisar. Acho que expor esses pontos de virada nesse texto, facilita a compreensão de quem fica acanhado em parecer contraditório por ter se colocado nessa linha transitória. Talvez seja um pouco delicado fazer isso, mas dentro do nosso blog, na nossa casa, da pra abrir o coração e olhar no olho mágico pra ver se quem está do outro lado querendo apenas te metralhar ou está pensando de verdade sobre o seu ponto. Então vou me colocar no meio do tiroteio falando sobre algumas situações em que eu fui opressor e depois mudei de ideia, um making of dos meus preconceitos desconstruídos. Porque tão importante quanto denunciar o preconceito do outro talvez seja mostrar a ele como você se limpou de (alguns) dos seus.

Sim, eu já fui misógino.

Todo mundo deve ter um post em que já se arrependeu no Facebook, eu tenho vários. Uma vez, postei que tinha adorado um capítulo da novela “Salve Jorge” em que a personagem Vanda (Totia Meirelles)  – líder do núcleo que traficava mulheres para a Turquia – apanhava da protagonista oprimida. Tudo bem que quando um vilão toma uma surra, acaba lavando a alma do espectador, lembrando também que nesse caso, ela havia apanhado de uma mulher. Mas ainda assim, a imagem em si, remetia a uma mulher apanhando, seja lá de quem for. Desconfio até hoje que exaltar uma mulher apanhando, mesmo que de mentirinha, guarde lá no fundo, um resíduo de misoginia, da qual eu tanto tenho nojo e critico. E que bom que eu mudei de ideia, mas não avisei ninguém sobre essa minha percepção.

Sim, eu já fui capacitista.

Assistindo à segunda edição do Masterchef me peguei torcendo pela candidata que tinha apenas uma mão. Fui descobrir o que era capacitismo depois disso. Mentalmente, me veio inclusive uma piadinha bem maldosa sobre a sua condição, mas não vou reproduzi-la aqui por pura vergonha de ter pensado nela. Sim, ser politicamente correto é escolher não ser engraçado e reforçar uma agressão bem humorada, não é não pensar nesse tipo de piada, mas escolher não reproduzi-la, o pensamento é uma correnteza que às vezes ultrapassa os nossos impedimentos, mas tentar impedir, nunca é algo descartável. Tratar pessoas deficientes como não iguais, menos humanas. E não estou nem falando sobre tratar mal, mas usar aquela pessoa como um objeto de inspiração conveniente, como se você fosse simpático à causa dela por uma compaixão disfarçada de admiração. Sem perceber você pode estar tratando-a como subordinada, hierarquizando a relação subjetivamente. Olhar essas pessoas como desamparadas e decidir que elas são dependentes, assexuadas, carentes, economicamente improdutivas, fisicamente limitadas. Resumindo: é dar a mão para ajudar um cego sem que ele tenha pedido. E que bom que mudei de ideia, mas não avisei a candidata eliminada sobre isso.

Sim, eu já quis devolver uma ofensa preconceituosa com outro tipo de preconceito.

Dia desses vi uma reportagem sobre uma troca de farpas desnecessária em algum desses portais de fofoca. A jornalista Fabiola Reipert publicou uma nota maldosa dizendo que a atriz Sophia Abraão estava apostando na carreira de cantora porque não tinha engrenado como atriz. Furiosa, a atriz chamou Fabíola de gorda em seu Twitter. Fiquei bastante enfurecido pela declaração gordofóbica da atriz e armei um tweet provocativo dizendo: “Sophia gordofóbica Abraão, baixa a bola porque quem nasceu pra Malhação jamais chegara aos pés do cigano Igor.” Nessa humorada frase eu estava dizendo que uma mulher bonita no padrão do senso comum estava fadada a participar de uma novelinha adolescente por conta da sua superficialidade. Não sei se fiz bem em não mandar esse tweet, mas na dúvida preferi não ser uma dessas pessoas que ataca a incompetência política de Dilma colando adesivos de deboche machista no carro ou responde ao racismo da torcedora do Grêmio chamando-a de puta. Não sei se foi bom mudar de ideia, mas ninguém soube desse meu tweet.

Sim, eu já fui lesbofóbico.

Uma amiga me contou que depois de muito tempo, tinha se descoberto/aceitado lésbica. Esse fato causou nela uma transformação visual, ela deixou de gostar de batom e roupas de estereótipo feminino porque percebia que adotar novos códigos visuais a ajudava a ser notada em ambientes com mulheres que se interessavam por mulheres. E eu super dei força, apoiei, mas soltei um comentário desnecessário: “Nossa que bacana tudo isso, mas você não vai ficar tipo Tamy né?” E como eu me arrependo de ter dito isso, como se ela não tivesse o direito de adotar o visual que bem entendesse, como se eu tivesse algum direito em opinar sobre a sua identidade – no como ela se sente. E que bom que eu mudei de ideia, e eu torço para que ela leia isso como um pedido de desculpas.

Sim, eu já fui machista.

Na viagem que fiz ao Havaí, conheci uma linda loira brasileira chamada Lívia que me contou que trabalhava como advogada. Eu, quase que de supetão, achando que aquilo era um elogio disse: “Nossa, uma mulher tão linda trabalhando de advogada, por que você não tenta ser modelo.”? Nesse caso, logo em seguida, me dei conta do que havia dito sem pensar, e logo pedi desculpas a ela. Foi uma declaração infeliz e leviana, eu fetichizei a figura de uma mulher negando nela suas outras capacidades além da sua aparência.  Mas foi maravilhoso me dar conta disso logo em seguida. Mostrou que eu estava desenvolvendo a capacidade de me policiar, de voltar atrás, de enxergar como algumas estruturas funcionavam na minha mente sem que eu percebesse. E que bom que eu mudei de ideia, mas nesse caso, deu tempo de avisar a Lívia sobre isso.

Sim, eu já fui elitista.

Eu trabalhava como garçom no Outback e atendi um casal em que o namorado pediu a namorada em casamento oferecendo um chocolate Cacau Show. Achei aquilo cafona e na cozinha soltei o seguinte comentário: “Afe, um cliente pediu a namorada em casamento com um bombom Cacau show, pelo amor, dá algo da Kopenhagen ou num dá nada.” Na hora uma amiga chamada Pérola <3, me censurou e disse que não via problema nisso, que nem todo mundo tinha dinheiro pra comprar um chocolate da kopenhagen. Fiquei bravo com ela na hora, e disse que eu estava me referindo à qualidade do chocolate, mas cá pra nós, não, eu não estava. E que bom que eu mudei de ideia, mas não avisei à Pérola.

Sim eu já fui elitista, de novo.

Mais uma vez a grata experiência que tive como garçom me ajudou a enxergar outro valor torto que eu tinha. Disse a uma amiga que odiava quando um cliente tratava as pessoas feito empregada doméstica. E minha amiga replicou: “Mas qual o problema de ser empregada doméstica?” Primeira reação: fiquei bravo com a minha amiga. Obviamente, a pessoa que te censura sempre vai parecer uma estraga prazer. É muito comum usarmos o termo “secretaria do lar”, “ajudante”, “a moça que trabalha em casa” para minimizar a “gravidade” de ser uma empregada. Talvez seja pelo preconceito que se tem com o trabalho braçal no Brasil que remete inconscientemente a um trabalho “menos digno”, algo que no período colonial “não era tarefa de branco.” O termo empregada foi ganhando uma conotação negativa ao longo do tempo, mas se você isolar o termo sem pensar em seus desdobramentos, ele remete apenas a alguém que responde à um empregador, que no caso é você. Outra hipótese é a censura inconsciente, como se você soubesse do descaso com que muitas empregadas são tratadas e de certa forma aplique a tal gravidade no termo “empregada” como se o termo justificasse a ação e não o contrário. E que bom que eu mudei de ideia, mas não deu pra avisar a Mariana.

Sim, eu fui elitista há duas semanas atrás.

Com a morte do cantor Cristiano Araújo, muitas pessoas fizeram posts engraçadinhos sobre não conhecerem o cantor. Muitas delas, estavam dizendo apenas isso e eu num vejo problema em quem não o conhecia, mas muitas outras estavam sendo um tanto irônicas em uma leitura das entrelinhas dessa afirmação. É como se o fato delas não o conhecerem fosse um atestado de superioridade cultural, como se a cegueira sobre o mundo da música popular fosse uma tarja de descontaminação em relação ao que é tido pela elite como “não cool”. Eu não postei nada a respeito disso, mas dei like em muitas publicações sobre quem não sabia quem era o cantor. E eu não posso aqui apontar quem foi irônico e quem não, mas não existe apenas o post contaminado, existe também o like contaminado. E eu que vivo defendendo a democracia musical, me dei conta de que o meu like tinha malícia sim. E que bom que eu mudei de ideia, mas é melhor nem avisar, tenho medo de fãs violentos.

Sim, eu já julguei quem mudou de ideia.

Uma amiga fervorosamente militante de várias causas de esquerda e que já contribuiu diversas vezes para que eu mudasse de ideia sobre algo, inicialmente defendeu Marina Silva na eleição para presidente e depois, diante de algumas atitudes e posturas da candidata voltou atrás e fez um post em que a criticava, “justificando” a sua mudança de ponto de vista. Essa mesma amiga, também achava o Lobão legal, espontâneo, mas ele começou a dizer muita abobrinha publicamente e logicamente ela mudou de ideia. Inicialmente pensei: “Bom, ela é daquelas que mostram certa independência dos consensos unânimes, mas se ela é tão segura do que pensa, qual é a dela em querer mudar de ideia e ainda se justificar publicamente? Depois, refleti um pouco mais e pensei que eram justamente pessoas como ela que me agradavam em postura. Capazes de olhar pro outro lado sem contaminação, capazes de criticar também o próprio lado e principalmente: sabem voltar atrás. E que bom que eu mudei de ideia sobre quem muda de ideia.

Tenho uma amiga que possui um corpo que destoa do padrão, mas que vive reproduzindo discursos gordofóbicos, e ninguém conta a ela as piadinhas que fazem sobre o seu corpo sem que ela saiba. Eu escolho não contar, escolho não ser o porta voz de algo que vai entristecê-la. Você pode defender alguém sem contar a essa pessoa, acho isso um favor genuíno que você faz a quem gosta, prefiro mostrar como eu mudei de ideia sobre o assunto (já que eu sempre vivi brigando com a balança) ao invés de portar o veneno até ela. Mesmo sabendo que pelas costas ela me critica, que ela me acha chato, insistente, que ela sente preguiça do meu discurso (que ironicamente defende ela também), mesmo que ela nunca saiba que além de agressora é também a vítima.

 

Esse texto não é apologético ao preconceito, ele visa mostrar quando as minhas válvulas giraram, assim como aconteceu, acontece e vai acontecer com as suas. Citei aqui algumas situações sutis em que me dei conta de como funcionam os preconceitos que ultrapassam o meu filtro de mansinho e são inocentemente lançados no meu cotidiano. Claro que eu já reproduzi diversos discursos aos quais eu mesmo sou o oprimido, o preconceito é sempre feito de hospedeiros, e ninguém está livre de ser um, mesmo sendo a parte agredida. E ao longo da vida vou descobrir vários outros, e vou passar vergonha, e alguém vai me avisar, ou por sorte lerei sobre ele em algum texto, e eu vou fazer questão de olhar pra ele, mesmo que não na frente de quem me avisou. O eu já “fui” também é pura proteção minha, é um medo de voltar a ter, porque às vezes eles voltam e eu espero estar preparado para perceber, e enfrentar de novo e depois de novo se preciso for.

 

coração

 

 

Os Cavalos Islandeses e As Mentiras Que o Espelho Conta

OS CAVALOS ISLANDESES E AS MENTIRAS QUE O ESPELHO CONTA

Por Eduardo Benesi

ice

Não, sei se você já ouviu falar dos cavalos islandeses. São lindos e possuem franjas charmosas. [Esse post não é sobre zoofilia.]

Sempre que me perguntam o que é um hipster respondo que é um cara que tem uma estranha doença: sempre que entra em uma loja, olha item por item, e se deslumbra por tudo, mas sem querer, escolhe levar justamente algo que não está à venda. Desilusão amorosa com objetos. Existe.

Será que os cavalos islandeses sonham com outros tipos de cavalos?

Você que já entendeu que as pessoas mais interessantes do mundo geralmente estão sentadas naqueles botecos sujinhos, e se recusa a entrar porque falta água na cidade e ninguém lavou as mãos. Não, não é por isso. É apenas pela vitrine de salgados que exibe uma coxinha de anteontem e ao lado, um ovo intacto, com a casca.

Há uma lei na Islândia que proíbe a importação de cavalos de outros países. Lá existem cavalos islandeses e uma lagoa azul.

Você que almeja o emprego dos sonhos imaginando uma sala multicolorida com mesa de ping-pong federada e a foto do aniversariante do dia com um doodle temático. Você que deveria abraçar a hipótese do emprego dos sonhos ser um subchefe legal que te deixe sair mais cedo pra ir ao show do Sissor Sisters. Ou um job que te permita viajar por um mês esquecendo-se do mundo, comendo glúten sem culpa. Pode ser também aquele em que você encontra amigos tão diferentes de você e que ainda assim você quer dividir o mesmo sofá, todo mundo apertadinho, pra caber o amor até as bordas reminiscentes.

IC-horse

Na Islândia é cultivada uma dinastia purista de equinos que vigora desde os tempos Vikings, isso quer dizer mais de 1k de anos.

Você que é tão capaz de quebrar poemas e de discursar sobre as variedades do amor. Você que não ultrapassa a tela e não interrompe a cena, você que respeita todos os filmes até o fim. Na verdade, você mente que foi até o fim de todos os filmes. O aborto cultural. Aborta filmes e livros no meio, ou mesmo na décima página. Você que fica triste até passar. Eu não. Eu dou skip depois dos 5 segundos no Youtube e desligo na cara do Telemarketing quando passo pelos 5 segundos mudos iniciais da ligação. Você que jamais desligaria na cara da Paola Oliveira ou do Aaron Johnson.

 

Na Islândia existem mais de 80k cavalos desse nipe. Para cada 4 habitantes da Islândia existe um cavalo islandês.

Você que já ouviu frases como “Você é a pessoa mais bonita que eu já vi na vida”. Você que finge tão bem na foto que consegue até não parecer o Marlon Brando e se ofende quando alguém diz que você está redondamente enganado, por conta do “redondamente”.  Você que só venera ídolos que pisem em você e que quando te notam, tomam um pé na bunda. Você que só apaixona por placas narcísicas com um X de proibido. Você que jamais será frio o bastante para seduzir pelo olhar, ao invés, sorri oferecendo vantagens e finais infelizes.  Você que quando mexe nos cabelos deixa flocos de neve caírem ao invés de admitir que são caspas e não aspas.

island3

Os cavalos islandeses lembram pôneis e caso sejam exportados, nunca mais podem voltar ao país natal. Os cavalos islandeses são viajantes apenas de ida.

Você que compraria uma sandália Melissa apenas para ficar cheirando sem pé nenhum. Você que é rigoroso com pés. Não suporta unhas pretas, carcomidas, ou roídas. Você que desconfia de que existe gente que rói os dedos dos pés. Você que acaba de ler o livro da Beber e descobriu que foram as gaivotas inventoras do bolero. Você que prefere deixar a lagartixas irem. Você que levou um fora da menina do ICQ porque literalmente escorregou na merda na hora do vamuvê. Você que faz caretas ridículas para se olhar no espelho do elevador.

Os cavalos islandeses possuem um caráter dócil, um temperamento amável e são extremamente macios para trotar.

Você que se entope do mundo soft, venera a luz negra mais que a luz do sol. Você que se derrete quando o coração de celofane dobra com o calor da palma das mãos. Você que nunca fraturou um só osso. Você que é capaz dos elogios mais criativos, mas que carrega uma teoria de que as pessoas possuem um lado inverso equivalente à face feel good. Você que, portanto, seria capaz de ofender alguém sem dar tempo para que o inimigo se recupere ou levante do chão, mas que prefere não pegar em armas. Você que não entendeu muito bem o filme Querelle.

Os cavalos islandeses por isolamento geográfico são proibidos de cruzar com cavalos de outras raças.

Você que odeia que os outros digam que aeroporto virou rodoviária, mas acha selfie um equivoco-zinho brega do ego. Você que rejeita o queijo branco por sua textura indecisa e que nunca conta pra ninguém que é um anti-herói oculto por óculos nerds. Você que disfarça a avareza com a desculpa das coleções e não sabe abrir vinhos. Você que adora o arroz com feijão do Giraffas.

island2

Você que fica a espera dos cavalos islandeses, montados por figuras utópicas. Empregos islandeses. Amores islandeses. Gente islandesa. Hábitos islandeses. Cavalos islandeses. Você que usa a desculpa da raridade. 

Você – espelho mEu.

mEu.

Eu.

eu.

iceland